quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Profilaxia

Na área da saúde, profilaxia, do grego prophýlaxis (cautela), é a aplicação de meios tendentes a evitar as doenças ou a sua propagação.

Princípios
Uma doença tem um ou mais agentes causadores. Estes necessitam de alguma maneira interagir com o organismo para gerar a doença. Toda e qualquer medida que procure impedir esta interação pode ser chamada de medida profilática. E a doença pode dar outras doenças como anorexia,conjunamento,bolemia,etc.

Patógeno

Pode ser chamado de patógeno um agente com potencial agressivo ao homem. Por exemplo, uma bactéria ou um vírus podem ser patógenos. Também são, pelo mesmo conceito, uma bala de revólver, um poluente ambiental, um gene mal-formado.
Medidas que impeçam o contato do homem com os patógenos são medidas profiláticas. Uma campanha de desarmamento, o uso de máscaras contra gases e a não exposição do organismo a fenelalanina ( nos fenilcetonúricos), são exemplos destas medidas.
A melhora das condições de saneamento ambiental, deixou de expor o homem a uma série de doenças, como a peste bubônica, transmitida por uma pulga que vive nos ratos. Nesta mesma situação, Hepatite, Gastroenterite e Verminoses, também são prevenidas, já que são transmitidas por água e alimentos contaminados.
Medidas mecânicas simples que impedem o contato com o patógeno, como o uso de perservativos, impedem a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis, como a Gonorréia, a Sífilis, ou mesmo a SIDA (AIDS).

Hospedeiro

O hospedeiro da doença é o homem. Medidas que visem a tornar o organismo mais resistente a agressão dos patógenos, também são exemplos de medidas profiláticas de doenças.

Vacinação
Um exemplo desta situação é a utilização de vacinas.

  • O sistema imune humano reconhece alguns elementos externos e desencadeia uma reação defesa contra eles. Isto é estudado pela imunologia. No primeiro contato com um destes elementos, uma série de reações orgânicas ocorrem em seqüência, demorando em geral alguns dias, até a eliminação ou neutralização do agente agressor. Num eventual segundo contato, o tempo de resposta é muito diminuido, sendo as vezes de horas.
  1. Doenças como o Sarampo e a Varicela ocorrem apenas uma vez na vida do indivíduo, já que esta resposta imunológica se mantem por tempo indeterminado.
  2. Outras doenças, como uma infecção urinária por certas bactérias, ou a malária , não desencadeiam uma resposta definitiva, podendo se repetir várias vezes na vida do indivíduo.
  3. Em outras doenças ocorre uma resposta prolongada, mas não definitiva. Difteria e tétano, são exemplos de doenças deste grupo.
  • Quando o organismo é artificalmente exposto a uma patógeno enfraquecido ou morto, ou ainda a partes do patógeno morto, com a finalidade de preparar o organismo para o contato futuro com o agente agressor selvagem, tem-se a vacinação. Só são passíveis de vacinação as doenças que desencadeiam resposta imune prolongada ou definitiva.
  1. Uma doença que não mais existe graças a vacinação, embora seu vírus ainda exista, é a varíola.
  2. Uma doença que diminui drasticamente foi a Poliomielite, graças a uma campanha de vacinação contínua em praticamente todos os países do mundo


História
Muito antes da sociedade entender os mecanismo, a observação mostrou uma série de medidas profiláticas eficientes.

  • Os primeiros livros da Bíblia contem uma série de recomendações codificadas por Moisés aos Hebreus. Doenças como a Tenáse e a Cisticercose deixam de ocorrer quando as pessoas deixam de utilizar carne suína.
  • A Circuncisão diminui a ocorrência de Câncer de pênis, possivelmente por melhorar as condições de higiene intima.
  • A observação da fidelidade conjugal, recomendada-nos Dez mandamentos mosaicos, previne doenças sexualmente transmissíveis.
  • No princípio da infectologia, diminui-se muito o número de infecções puerperais, infecções no pós parto imediato, por uma medida muito simples. Os médicos passaram a lavar as mãos ao vir das salas de necropsia, antes de realizarem os partos. Mesmo desconhecendo a existência de bactérias, estas primeiras medidas preveniram um grande número de mortes.


Nem sempre as medidas profiláticas foram bem vindas.

  • Um exemplo claro de grande diminuição da incidência de doenças numa população foi a reforma urbana ocorrida no início do Século XX, na cidade do Rio de Janeiro, coordenada pelo prefeito Pereira Passos e pelo cientista Osvaldo Cruz. As medidas, conduzidas de maneira arbitrária, geraram a chamadaRevolta da vacina.
  • Os defensores do Referendo sobre a proibição da comercialização de armas de fogo e munições, ocorrido no Brasil em 23 de outubro de 2005, argumentavam que esta seria uma medida profilática contras as mortes por armas de fogo. Esta tese não foi suficiente para a aceitação desta medida por parte da população.
  • O filme Apocalipse Now, descreve uma situação fictícia onde as forças americanas promovem uma campanha de vacinação nas crianças nativas, mas que provocou uma violenta reação dos locais, com amputação dos membros vacinados. Embora fictícia, tal situação mostra a necessidade do respeito a cultura local quando da utilização de medidas profiláticas.


Durante o Nazismo, graças aos conceitos de eugenia pregados na época, era considerada uma medida profilática "afastar" pessoas consideradas incapazes física ou mentalmente, para que estas não viessem a deixar descendentes, chegando inclusíve ao ponto da castração ou até mesmo morte destes indivíduos.


Exemplos de doenças específicas sujeitas a Profilaxia


Infecções hospitalares.
Endocardite indecçiosa.
SIDA - Síndrome da Imunodeficência Adquirida (AIDS).
Sarampo
Tuberculose
Aterosclerose

  • Fatores de risco para infarto e derrame


Profilaxia versus Diagnóstico Precoce
Num senso amplo, o diagnóstico precoce das doenças é uma medida profilática, já que permitiria um início de tratamento precoce e mudança na evolução das mesmas. Como isto ampliaria muito o foco deste artigo, as medidas de diagnóstico precoce não foram citadas neste verbete.

Nenhum comentário: